Na internet, um terço das vítimas de fraude não recupera o dinheiro perdido

Quase metade (46%) dos internautas do País foram vítimas de algum tipo de golpe financeiro nos últimos 12 meses, o que equivale a um universo aproximado de 12 milhões de pessoas. É o que estima uma pesquisa feita pela CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) e pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), segundo a qual os prejuízos gerados por esses crimes contra consumidores chegaram a R$ 1,8 bilhão. Segundo o levantamento, pouco mais de um terço dos consumidores lesados não consegue recuperar nem um tostão do que perderam.

Entre as vítimas de fraudes na internet, mais de 50% compraram produtos pela rede que não foram entregues, 46% receberam produtos ou serviços diferentes dos contratados e 25% tiveram o cartão de crédito clonado. A soma ultrapassa 100%, pois há os desafortunados que foram vítimas de mais de uma fraude.

Pelo menos 51% dos entrevistados afirmam ter sofrido perda financeira, com um dano médio de R$ 478.

Um desses casos em que o prejuízo ficou todo na conta do consumidor era o chamado “golpe do motoboy”, em que a vítima é induzida a acreditar que fala com o banco e acaba fornecendo dados bancários, entregando cartões e senhas a falsos emissários da instituição financeira.

Os bancos vinham se negando a indenizar os clientes neste caso, mas uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, na última semana, pode mudar esse cenário. A Justiça considerou que houve falha na prestação de serviço do banco, que não impediu a movimentação financeira atípica, de R$ 35 mil em um só dia, no caso do cliente do processo em questão.

“As fraudes online atingem todas as idades e sexos. Ninguém está livre”, afirma Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da consultoria PSafe.

A consultoria estima que um em cada cinco brasileiros já foi vítima de roubo de identidade na internet. Entre os casos relatados, 40% fizeram cadastro em sites falsos de promoção, 39% se inscreveram em vagas de emprego que nunca existiram, 22% realizaram compra em site fake , e 21% receberam ligação de pessoas que se passavam por funcionário de instituição financeira.

Erros de português e mensagens sem contexto devem acender o sinal de alerta para a possibilidade de fraude, dizem os especialistas. José Cesar da Costa, presidente da CNDL, diz que é importante também que o consumidor tome precauções para evitar transtornos e desconfie de facilidades ou de ofertas muito atraentes.

Entidades de defesa do consumidor orientam que em caso de fraudes as vítimas devem contatar o banco, a administradora do cartão de crédito ou a loja para reaver valores. Outra providência a ser tomada é o registro de Boletim de Ocorrência na Polícia Civil.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on print
Share on email