A Lua está enferrujando. Mas o que explica isso?

Amostras lunares trazidas à Terra pelas missões Apollo da Nasa não mostraram sinais da presença de ferro oxidado.

Mas os pesquisadores analisaram dados do Mapeador de Mineralogia Lunar (M3) projetado pelo JPL e instalado na sonda Chandrayaan-1, da primeira missão lunar da Índia, lançada em 2008.

A Chandrayaan-1 descobriu água congelada na Lua usando radares e detectou uma variedade de minerais na superfície do satélite.

“Quando examinei os dados do M3 nas regiões polares, encontrei algumas características e padrões espectrais diferentes do que vemos em latitudes mais baixas ou nas amostras da Apollo”, disse Shuai Li, pesquisador assistente do Instituto de Geofísica e Planetologia (HIGP, por sua sigla em inglês) do Havaí na Escola de Ciência e Tecnologia Oceânica e Terrestre (Soest, sigla em inglês) da Universidade de Manoa.

“Depois de meses de pesquisa, descobri que estava olhando para a assinatura da hematita”, acrescentou Li, também autor principal do estudo, à agência de notícias PA.

A princípio, Abigail Fraeman, coautora do estudo, não acreditava nessa possibilidade.

“(As hematitas) não deveriam existir, considerando as condições presentes na Lua”, disse Fraeman, de acordo com um comunicado do JPL.

Mas o grupo de cientistas apresentou algumas explicações para o fenômeno.

A análise dos dados do M3 mostrou que as hematitas estavam mais presentes “no lado próximo à Terra do que no lado oposto”, diz o estudo publicado na revista Science Advances no início de setembro.

“Mais hematitas no lado lunar mais próximo sugere que a oxidação pode estar relacionada à Terra”, disse o professor Li à PA.

“Isso me lembrou da descoberta da missão lunar japonesa Kaguya (lançada em 2007) de que o oxigênio da atmosfera da Terra pode ser transportado para a superfície lunar pelo vento solar quando a Lua está na cauda magnética da Terra”, afirmou Li.

Portanto, a hipótese de Li e sua equipe é de que as hematitas lunares se formaram graças a esse oxigênio que viajou continuamente da Terra à Lua nos últimos bilhões de anos.

“O oxigênio atmosférico da Terra pode ser o principal oxidante na produção de hematitas (na Lua)”, disse Li à PA.

Também é possível que a Lua tenha recebido mais oxigênio quando estava mais perto da Terra, uma vez que os dois corpos estão se afastando um do outro há bilhões de anos.

Os cientistas também encontraram hematita no lado oposto da Lua, uma área que não recebe necessariamente oxigênio da Terra, diz a PA.

Esta presença de hematita pode ser explicada por “moléculas de água encontradas na superfície lunar”, diz a declaração do JPL.

O professor Li explica que “as partículas de poeira interplanetária que tendem a chegar à Lua podem liberar essas moléculas de água na superfície e misturá-las com o ferro lunar”.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on print
Share on email