35ª Feira do Livro de Caxias do Sul terá o tema “Você é o que você lê”

A 35ª Feira do Livro de Caxias do Sul trabalhará com os sentimentos, imagens e ideias que o leitor sente ao mergulhar em uma nova leitura. O tema deste ano da festa literária da cidade será “Você é o que você lê”. Essa foi uma das novidades apresentadas durante coletiva de imprensa, realizada na Biblioteca Parque Largo da Estação, na manhã desta terça-feira (30/04).

O evento foi organizado pelo Departamento do Livro e da Leitura da Secretaria Municipal da Cultura (SMC). A diretora do setor, Maria Cristina Pisoni Tiburi, falou um pouco sobre a escolha do tema oficial da feira. “Quando nos identificamos com um personagem, uma situação, um lugar, estamos absorvendo um pouco das emoções de tudo isso. Experiências vividas e sentidas nas histórias nos conectam e podem gerar um impacto profundo e duradouro em nossas vidas”, explicou.

O secretário da Cultura, Joelmir da Silva Neto, também participou do encontro. “O tema da feira deste ano pretende levar as pessoas a refletirem sobre seus interesses de leitura, sobre suas ligações com os textos, com as leituras que transformam, que instigam, que fazem a diferença na sua história de leitura e que, de algum modo, nos levam a ser um pouco das histórias que lemos”, complementou.

Além do tema, também foi realizada uma apresentação da planta da Feira do Livro deste ano. Assim como no ano passado, será mantida a valorização do chafariz da Praça Dante Alighieri e as bancas serão montadas ao redor da estrutura, destacando uma iluminação diferenciada ao longo do evento. Os estandes de livros infantis continuarão na rua Marquês do Herval, porém virados de frente para a praça. A rua Doutor Montaury não será fechada, porém estuda-se a possibilidade de interromper o trânsito durante alguns dias de feira.

Nesta edição, atendendo a pedidos dos livreiros, haverá uma redução no número de bancas para aumentar a circulação de pessoas e os espaços entre os estandes. Para isso, não serão mais colocadas bancas atrás do palco principal. Neste espaço, junto às sessões de autógrafos, serão feitos lounges que funcionarão como ponto de encontro e de interação entre os visitantes. Já ocafé da Feira será substituído por mais bancas de livro. A mudança também é uma forma de valorizar o comércio do entorno da praça que oferece esse serviço.

A Feira do Livro de Caxias do Sul acontece de 27 de setembro a 13 de outubro na Praça Dante Alighieri.

Patrono e Amiga do Livro

O patrono da 35ª Feira do Livro, Delcio Antônio Agliardi, e a amiga do livro, Bernardethe Zardo, também estavam presentes e foram apresentados oficialmente durante a coletiva. Eles foram anunciados nesta segunda-feira (29/04), após uma votação entre representantes do Gabinete da SMC, da Casa da Cultura, das bibliotecas públicas da SMC, do Conselho Municipal de Políticas Culturais, da Academia Caxiense de Letras e da Associação dos Livreiros Caxienses (Alca).

Délcio Antônio Agliardi possui Doutorado em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras/UCS-Uniritter. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Direito da Infância e Juventude pela Fundação Escola Superior do Ministério Público do Rio Grande do Sul. Licenciado em Filosofia. Docente do Centro de Filosofia e Educação e pesquisador no Observatório de Educação da Universidade de Caxias do Sul (UCS). Tem experiência em políticas públicas para a infância e juventude em âmbito local, regional e nacional. Escritor (gêneros poesia e conto); autor de poemas premiados em concursos literários. Já escreveu os livros: “A Coruja de Pernas Tortas”, o volume de poesias “Duetto Poético” e “Rotas do Imaginário”.

Natural de Nova Prata, na Serra Gaúcha, Bernardethe Zardo é graduada e pós-graduada em Artes, Desenho e Filosofia. Recebeu diversas premiações literárias, participou de antologias e publicou, em 2012, pela Editora Maneco, o seu primeiro livro: A Menina do Arco. Também escreveu a obra “Poema-Casa”. Ocupa a cadeira de número 31 da Academia Caxiense de Letras. Ela mesma se diz amante das Artes, Letras e Filosofia, comprovando sua predileção pelo exercício da profissão: Arte-educadora. Também conta que gosta de deixar poemas em lugares públicos. “Um poema solto não significa que ele está perdido, mas que finalmente está livre”.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on print
Share on email